Dieta emagrecer – controle mental

Muitas vezes chamamos um psicólogo para nos ajudar a lidar com situações e sentimentos que fogem do nosso controle.

O controle mental também podem influenciar o comportamento alimentar.

Nos regimes para emagrecer é muito importante uma dieta que leve em consideração as particularidade de cada pessoa e um trabalho mental de conscientização é muito importante para o sucesso do tratamento.

Nosso sistema nervoso enumera uma série de manobras de pensamentos  e estratégias de gerenciamento do estresse de forma que podemos controlar situações difíceis, e, portanto, lidarmos com mais facilidade a uma determinada situação.  

dieta emagrecerMesmo os nossos hábitos alimentares podem ser controlados com o controle consciente. Isso pode ser utilizado especialmente se você quiser reprogramar seus hábitos alimentares “. Mesmo com dietas alimentares o controle mental é muito utilizado.

São duas abordagens distintas – o controle rígido e o flexível. Para mudar seus hábitos alimentares a longo prazo e obter sucesso, você deve primeiro ser capaz de distinguir entre estas duas abordagens e analisar criticamente onde elas se aplicam.

O controle mental rígido

Este controle rígido com o objetivo de perda de peso quase sempre reduz a ingestão de alimentos – o eu é tão forte que, apesar das tentativas e sensações fisiológicas de fome, comemos o mínimo possível. Controlados pelos pensamentos, os sinais do corpo, como a fome ou sensações de saciedade desempenham na dieta, apenas um papel menor.

Formas de agir com este pensamento sobre o que deve ou não ser comido são divididos em “permitido” e “proibido”, idéias típicas de pensamentos rígidos são, por exemplo: “Eu nunca mais vou comer chocolate” ,”Eu só vou comer alimentos com baixo teor de gordura, no entanto, “não posso ficar mais sem manteiga no pão.”

Está provado que esta luta mental contra o  alimento não é útil a longo prazo – pelo contrário: aumenta o risco de comer muito mais do que inicialmente previsto.

O controle mental rígido marcado pelo forte pensamento “tudo ou nada”, é condenado, precisamente pela oferta e exposição grande aos alimentos que estamos sujeitos.

Em alguns momentos a pessoa acaba cedendo e sentimentos de culpa e fracasso são sensações experimentadas. Aí domina o pensamento típico “Agora que eu já comecei vou comer tudo mesmo e depois retomo a dieta”. E então a pessoa faz exatamente o que tem vontade, com grande esforço para impedir que coma mais diante das tentações. 

O controle mental rígido muitas vezes é alternado em períodos de controle excessivo e momentos de comer desenfreado. Assim, o aparecimento da obesidade é incentivada e em alguns casos até mesmo o desenvolvimento de um transtorno alimentar mais grave.  

O controle mental flexível

Com este tipo de controle mental do comportamento alimentar, o comportamento não é afetado por exigências dietéticas temporárias. No entanto, mesmo aqui é possível restrição da ingestão de alimentos por dia e comer alimentos com pouca gordura. No entanto, uma vez que os alimentos não se dividem em “permitido” e “é proibido”, há uma maior  variedade de alimentos que podem ser consumidos, por vezes também pode ocorrer alguns excessos de consumo.

Típico pensamento para dietas flexíveis incluem: “A próxima semana eu vou comer apenas três barras de chocolate,  uma ou duas  por dia. Alguns dias não comi chocolate, e em outros, por exemplo,posso comer uma barra inteira “.

O essencial é que não há um espaço amplo e grande, entre uma ação que pode ser compensada por outra. Essa flexibilidade é válida tanto para a escolha dos alimentos, bem como a sua quantidade.

Com um controle tão flexível  a probabilidade de transtornos do comportamento e sentimentos de culpa são muito menores do que para o controle rígido.

Implementação do Controle mental flexível

Políticas e estratégias para perder peso por peso, com base em rigorosas e restritivas dietas alimentares tendem a ser contraproducentes e até perigosas – portanto um controle flexível em vez de coerção e restrição do prazer consciente tem mais chances de êxito.

 Em paralelo com estes processos de pensamento , existem outros fatores psicológicos que influenciam nas dietas,  por exemplo, sentimentos de infelicidade e tristeza aumentam a   probabilidade de comer mesmo sem sentir fome.

Para outros pode ser o tédio, estresse, acompanhar o companheiro e mastigar na frente da TV.

Todos nós conhecemos situações em que não se sente uma verdadeira fome fisiológica, mas o prazer mental (desejo) um apetite para comer. Se você iniciar uma dieta, é importante conhecer essas situações pessoais “de risco”. Entre os casos típicos podemos citar:

  • _ emoções específicas que despertam a vontade de comer;
  • _ determinados momentos do dia (devido ao tempo em que se come, não só por causa da sensação de fome fisiológica) ;
  • _ outras atividades realizadas juntamente com a refeição, ver televisão ou ler, por exemplo.

O primeiro passo é observar os períodos de pico alimentar e quais alimentos são ingeridos.  Em uma fase seguinte, é conveniente alterar a atual situação causada por mal hábitos alimentares e reduzir a ingestão de alimentos por compulsão.

Fome fisiológica e psicológica, o apetite

Fome fisiológica surge por causa dos processos físicos e sinais que o corpo necessita de energia. Ele é um chamado interior que surge devido a processos do próprio corpo e é um sinal para necessidade do alimento.

Em contraste com a prazer mental (Desejo) por fatores externos que iniciam a vontade de comer um determinado alimento.

 Fome fisiológica aparente:

  • _ a impressão de um “buraco” no estômago;
  • _ quando o estômago ronca ;
  • _ uma sensação de fraqueza física após um longo período sem comer nada.

Apetite mental aparente:

  • _ emoções específicas que provocam vontade de comer;
  • _ um passeio a padaria , por exemplo, provoca a vontade de beliscar;
  • _ Uma sobremesa depois de uma grande refeição;
  • _ Falando sobre a comida favorita é desencadeada o seu prazer de comer.

Portanto converse com o seu médico a melhor maneira de realizar uma boa dieta e discuta a respeito dos seus hábitos sem descuidar da mudança mental para o sucesso do seu programa de reeducação alimentar.

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *